Ministério da Cidadania, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro,
Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS apresentam:

Summit | De plataforma a produtor de conteúdo

Parte do Summit Rio2C by Meio & Mensagem 2019, o painel “De Plataforma a Produtor de Conteúdo” debateu como três marcas estão apostando cada vez mais em conteúdo e na busca da expertise publicitária para seus times criativos internos, em busca de rapidez, experiência e excelência.

Participaram do debate, no Teatro de Câmara, Vinícius Malinoski, que é Head do The Zoo, área criativa de produção de conteúdo dentro do Google; Cleber Paradela, head de brand experience da 99; e Érika Mello Aredes, gerente de marketing da Youse, plataforma online que permite que seguros de carro, vida e da casa possam ser adquiridos totalmente online, sem a intermediação de corretores. O diretor do Meio & Mensagem, Pyr Marcondes, fez a mediação.

“Diferente de uma empresa estabelecida, somos ainda uma startup dentro de uma outra startup gigantesca. Como o Google tem várias plataformas e vários lançamentos por dia, somos ‘tradutores’ para agências, programadores e negócios, como um time de consultores criativos. Damos consultorias para marcas e os conectamos com empresas parceiras”, contou Vinícius.

Érika Mello contou que a Youse ‘aconteceu’ há três anos e que faz parte da rotina da marca criar, testar, recriar e testar de novo. “Cada dia queremos aprimorar mais e errar menos. Isso é muito latente dentro da empresa. Criamos uma área de content lab, para criar conteúdos mais segmentados e interessantes. Temos duas ilhas de edição, e uma estrutura grande para que se produzisse em uma velocidade de conteúdo muito mais intensa. Fail fast!”

Já Cleber Paradela destacou a alta velocidade em que mudanças ocorrem na 99, que atualmente conta com 18 milhões de passageiros a 600 mil motoristas. Ele contou que as ações de comunicação são planejadas muito localmente, em busca de ações rápidas e de conteúdo. “Nossa guerra é de cidade a cidade, bairro a bairro. Temos que ter um conteúdo muito local, então para isso temos equipes de marketing com curadoria em 12 cidades. E em São Paulo tenho 17 pessoas um alinhamento nacional. Temos designers, equipe de motion, redatores e UX writers, para dar agilidade aos processos, mas ao mesmo tempo conseguindo garantir qualidade”.

Todos concordaram que esta dinâmica ágil permite que erros sejam cometidos e corrigidos mais rapidamente, mas também que os conteúdos não podem estar em desacordo com os propósitos e alinhamento da empresa. “O fail fast é algo a ser levado a sério. É preciso colocar a campanha no ar, testar, voltar, melhorar, colocar de volta e ir afinando esse conteúdo voltado ao compartilhamento e à conversão em algo cada vez mais preciso”, completou Vinicius.

Ministério da Cidadania, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro,
Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS apresentam:

patrocinadores

fique conectado